Esta semana vou relatar para vocês gamers, a minha experiência em Call of Duty Ghosts, tanto o modo campanha como o modo online competitivo e cooperativo.

 Antes de começar, muitos vão se perguntar o porquê de eu não falar sobre os maravilhosos gráficos do jogo e etc. Pois bem, isto se deve ao preço do maldito PS4 estar muito alto, afinal, um console de R$3.999,00 não é algo que seja sensato, e o pior é saber que enquanto o resto do mundo paga por muito menos pelo mesmo produto, é saber que toda esta diferença de preço se deve ao nosso sistema fiscal, que emprega impostos muito altos, e desencoraja empresas como a Sony a montar fábricas aqui no Brasil, o que talvez facilitasse o preço do console a diminuir no país.

 Por este motivo, fiz uma resenha do que pode ser feito de imediato, que seriam nos consoles da geração atual/passada, o PS3 e o Xbox 360.

  •  O modo campanha.

 Assim como já se esperava, o modo campanha/história, é executado como um eletrizante filme de ação. com muitas cenas de tiroteio, e variando cenários que vão desde batalhas terrestres usando um fuzil, até em partes fora do planeta, no espaço, usando trajes de astronauta e atirando com armas especiais.

 A história do jogo se baseia em uma unidade especial chamada “ghosts“(fantasmas), que segundo
 a mítica que o jogo passa, é um grupo de soldados de elite, que são tão mortais e silenciosos, que são vistos como uma unidade sobrenatural.

 A América Latina é a bola da vez, o enredo desta vez, conta como inimigo, uma fictícia aliança entre os países da América do Sul, que formam uma frente militar que dizima grande parte dos Estados Unidos, e posteriormente se tornando uma super potência mundial.

 Como os países latinos são o destaque da vez, o jogo visita muitas regiões conhecidas por nós, como a costa do Rio de Janeiro, bases militares em Cuba e etc.

 A variedade de missões é muito satisfatória, com fases em baixo da água usando roupas de mergulho e mudando a dinâmica de movimentação do jogador, ou em missões de infiltração, fazendo rapel do lado de fora de um prédio comercial, em batalhas no espaço, se movimentando entre os destroços de estações espaciais, e até mesmo algo que não era visto desde CoD World ar War: batalhas explosivas no controle de um tanque de guerra.

 Um personagem novo está no jogo, porém de uma raça bem diferente, Riley, que é um cão pastor alemão, é um novo companheiro que acompanha você durante o modo história, no qual você interage em certas partes comandando ele através de um controle remoto (algo que não explicam como é possível), porém, depois de certa parte, parece que ele é esquecido e não aparece por um tempo, e chega a voltar depois na história.

 Já os gráficos do modo campanha, não chega a ser ruim, mesmo porque em muitas parte o cenário e o efeito de luz do jogo com certeza superam os jogos anteriores, porém, em certos pontos, eu senti que a textura de alguns personagens ficaram bem mal renderizadas, isso mostra que a versão de PS3 e Xbox 360 perde um pouco da qualidade gráfica, já que é uma versão “portabilizada” dos consoles da nova geração, como o PS4 e o Xbox One.

 Enfim, o modo história continua seguindo a ação cinematográfica que é um dos fortes da série, mas que apesar de continuar com a mesma fórmula, consegue ainda dar uma boa dose de diversão durante a jornada do modo campanha, apesar de alguns tropeços quanto ao gráfico do jogo, mas nada que prejudique de modo crítico a diversão.

  •  Os modos Online
Modo cooperativo: Extinção

 Este modo é uma das grandes novidades de Ghosts. O modo “Extinction” (extinção), combina um pouco do que foi visto no modo Survival de MW3, porém com muitos elementos a mais, e com suporte para cooperatividade online.
 Em resumo, o modo extinção é um modo cooperativo, no qual o jogador deve enfrentar várias ondas de inimigos, podendo usar a ajuda de até quatro outros jogadores online. Uma das vantagens de se jogar com outros jogadores, é que muitas perks podem ser acumuladas entre todos os jogadores, podendo chamar reforços muito mais rápido ao invés de ter de acumular sozinho a quantidade certa de kills para habilitá-las.

 A grande diferença entre o modo Survival de MW3 e o modo extinção de Ghosts, é que em extinção, os inimigos que avançam o campo de batalha em sua direção, não são humanos, mas criaturas alienígenas de diversas formas. O que muda totalmente a dinâmica do jogo, porque as criaturas não se movimentam como humanos, e são muito velozes, o que dificulta a precisão em atirar nos inimigos, e por agirem diferente, não há como tentar segurar um ponto usando “Superessive Fire”(tiros de supressão), já que os inimigos não vão recuar ou se intimidar, mesmo que você descarregue toda a sua munição.
 Recomendo muito este modo, apesar de ser muito difícil de completar todas as fases, e principalmente que você junte mais 3 amigos para jogar, porque além de ser muito mais difícil jogar sozinho, jogar em grupo exige uma grande tática e comunicação entre o seu grupo. Se você procura um desafio depois de terminar o modo história, esta é uma boa pedida.
Modo Competitivo

     Este é o modo que quase todos os jogadores priorizam na hora de comprar um novo Call of Duty. Afinal, é o modo que fez a franquia ser o gigante que ela é hoje, e é o que vai fazer você continuar jogando Ghosts por muito tempo, mesmo depois de terminar o modo campanha.

     É claro que eu poderia ficar falando linhas e mais linhas sobre o modo competitivo, mas vou dar um resumo direto das principais qualidades, afinal também tenho que jogar-lo e não posso ficar aqui para sempre.
     A primeira coisa a salientar, para vocês que ainda não compraram Ghosts, é que o modo competitivo está excelente, com um sistema muito balanceado tanto nas classes como na jogabilidade, e que na minha opinião, parece um mix perfeito entre o multiplayer de Black Ops e Modern Warfare.
     A customização das perks está bem diferente, já que agora você pode selecionar entre uma árvore de habilidades, as perks que você quiser, e estão divididas em muito mais opções. Fazendo com que cada jogador tenha um kit diferenciado e único, fazendo a customização muito mais precisa.

     Por falar em customização, agora é possível customizar muito mais coisas do seu personagem multiplayer, como roupas, capacetes, tipos de rosto e até mesmo o sexo do personagem. Agora as meninas poderão ser reconhecidas pelo seu personagem, e que é uma adição a mais para o público feminino, isto é, até alguns engraçadinhos começarem a fazer personagens femininos, e começarem a fazer aquela velha historinha de namorar caras de clans mais fortes e etc., etc. vocês já sabem do resto.

     O novo movimento de “PowerSlide”(deslizar no chão), muda a dinâmica de movimentação, já que assim como em Black Ops, o movimento de se jogar para frente dificultava que seus adversários conseguissem ter uma mira precisa e imediata, deslizar pelo chão também traz a mesma vantagem, além de ser um ótimo recurso para se usar na fuga, quando você percebe que muitos adversários estão te flanqueando.

     E já que falamos em perks, uma das novas opções disponíveis, é um pastor alemão, que diferente de Riley, quando chamado, acompanha o jogador e ataca os adversários que estiverem próximos.
      

     Por último fica um aviso para os campers: está mais difícil de ficar deitado no mapa. Isso é devido ao cenário poder ser modificado pelos jogadores, o que faz com que se torne um mapa vivo. Talvez inspirado em Battlefield, onde muitas das construções podem ser tombadas, em ghosts, a interatividade com o cenário não é tão grande, mas justamente aqueles pontos que são perfeitos para o camper ficar deitado sem se mexer, são os que podem ser destruídos, como torres e etc. é claro que isso não quer dizer que ninguém mais campera, afinal, eu mesmo encontrei muitos jogadores deitados em lugares estranhíssimos, mas que eles conseguiram adaptar para fazer aquele “Camper Encardido”, talvez esta seja a habilidade de um camper: descobrir ambientes perfeitos, em lugares inimagináveis, para fazer o seu camper.

     Enfim, esta é a minha pequena resenha de Call of Duty Ghosts, espero que tenham gostado. Na verdade, o meu objetivo principal aqui, é tentar convencer os gamers que estavam em dúvida entre comprar o jogo para PS3 ou esperar até comprar um PS4. Então fica a minha dica: comprem, não espere até o PS4, pois o jogo está excelente no PS3, e o modo multiplayer é incrível, e não se preocupe, ainda tem muita gente jogando o modo multiplayer de Ghosts no PS3. 
     É isso aí galera, coloquem suas tocas de caveira, engatilhem seus controles, e até semana que vem!    
       
    Share This