Xina Gamer – The Banner Saga – O jogo mais Lindo do mundo.

Xina Gamer – The Banner Saga – O jogo mais Lindo do mundo.

 Sem dúvida, um dos jogos mais espetaculares visualmente, e com uma história tão bem apresentada, que facilmente poderia se tornar uma saga de livros.
 Da desenvolvedora Stoic Games Studio, surge um jogo de RPG baseado na lenda Viking, e que entre os gamers já é chamado de o game mais bonito já feito.

 “The Banner Saga, é um RPG épico, inspirado nas lendas Vikings. Cenários pintados á mão molduram um mundo estranhamente suspenso em um crepúsculo sem fim. Cidades e vilarejos começam a ruir em meio ao caos. Heróis abandonam seus corações e lares para atravessar campos nevados, ganhando aliados ao longo do caminho que ajudam a combater uma estranha, e nova ameaça.”


 E é com esta premissa épica e muito bem escrita, que os produtores da Stoic Games apresentam seu novo projeto, “The Banner Saga“, que traz uma mecânica já conhecida de RPG estilo “Tactics”, misturada com uma narrativa forte e traços artísticos durante o gameplay e nas animações de transição do jogo que vão fazer você cair para trás.


 “Decisões irão ter consequências: escolhas sábias devem ser feitas enquanto se conversa com possíveis aliados durante um trabalhado e intricado diálogo. Estratégia baseada em turnos, trazem um desafio tático, em sequências de batalha animadas á mão. Com visuais que evocam a era de ouro das animações.”

 Como em todo jogo estilo Tactics, o importante é saber explorar o mapa do campo de batalha ao seu favor, escolhendo os posicionamentos de cada unidade do seu exército, de acordo com a habilidade de cada personagem, aproveitando ao máximo cada unidade de seu grupo.

 Mas diferente de alguns jogos, a decisão errada poderá causar danos irreversíveis, como por exemplo a perda permanente de personagens do seu grupo, caso ele venha a morrer durante uma batalha, isso faz com que se pense muito bem antes de tomar uma ação no jogo, pois a falta de um personagem pode ser fatal em batalhas futuras ou até mesmo na convivência da sua caravana, e que podem mudar o destino da sua história no jogo.

 Além do super bem trabalhado modo de combate, que funciona por turnos, tradicionalmente usado em jogos Tactics como “Final Fantasy Tactics”, as animações durante as cenas de combate do jogo, dão uma identidade única ao jogo, fazendo com que este, não seja apenas mais um jogo de estratégia em meio a um mar de RPG’s japoneses que existem no mercado.

 Outro aspecto que o jogo traz de novo, é o gerenciamento da sua caravana, que funciona como em jogos RTS do tipo Age of Empires, onde é necessário administrar alimentos e recursos para poder enfrentar novas batalhas, anexado a isto, os diálogos que acontecem nas viagens entre as missões, que dependendo da escolha do jogador, podem fazer com que se ganhe aliados, ou se crie inimigos mortais. Moldando o futuro da história do jogo de acordo com as suas decisões.

 Além de todas estas inovações na jogabilidade, um visual único nos cenários e nas animações dos personagens durante as batalhas, o jogo ainda conta com a trilha sonora sensacional para situar esta saga nórdica feita por ninguém menos que o compositor diversas vezes indicado ao Grammy “Austin Wintory“, que já foi indicado ao prêmio devido aos seus trabalhos na trilha sonora de jogos como Journey.

 E como a cereja final do bolo, o jogo também vai conter um modo multiplayer online gratuito chamado “Factions” (Facções), no qual cada jogador poderá desafiar outros jogadores online em um modo PvP, e que segundo a produtora, será um modo grátis para se experimentar o jogo, mas que o modo completo, além de incluir um modo história para um jogador, pode liberar mais personagens para o modo multiplayer.

 The Banner Saga começou como um projeto Kickstarter em Março de 2012, mas pela atenção que chamou, conseguiu finalizar arrecadando mais de U$ 700,000, muito mais do que a meta inicial do projeto, que era de U$ 100,000.

 Já está disponível na Steam, o modo online The Banner Saga Factions, que pode ser baixado gratuitamente, e oferece um modo de batalha competitivo, onde você pode desafiar jogadores do mundo todo, e ter uma prévia do que vai ser o modo completo.
.

 O jogo completo está previsto para Janeiro de 2014, e estará disponível para PC e Mac.

Baixe agora o modo online totalmente gratuito:
http://store.steampowered.com/app/219340/

Xina Gamer – Mobile Games que devem ser jogados

Xina Gamer – Mobile Games que devem ser jogados

 Nesta semana vou indicar alguns dos jogos de celular que mais me impressionaram, tanto visualmente quanto na jogabilidade, e que se tornaram clássicos para mim, e gostaria de compartilhar com vocês.

 Apesar de existirem milhares de jogos mobile nos dias de hoje, muitos sofrem da síndrome do “infinito”, que apesar de ser divertido e ter uma jogabilidade bem básica, mais voltada para o casual gamer, depois de determinado tempo de jogo, ele se torna massante, pois assim como um minigame de bolso, nunca vão ter fim.

 Mas hoje eu vou citar jogos que possuem um visual simples, de jogabilidade simples, mas que são tão bem executados por seus criadores, que se tornaram clássicos.

Então vamos lá:

  • Tiny Thief – iOS / Android.

 Inicialmente uma pequena aventura de um ladrão em tempos medievais, mas que se transforma em uma jornada épica, com castelos, cavaleiros medievais, dragões e até uma princesa em perigo.
 Tiny Thief chama a atenção por seu visual e jogabilidade, dos mesmos criadores de Angry Birds. Trata se de um jogo point and click de plataforma, com um design excelente, com um visual de cenários e personagens que agrada ao se jogar.
 Já a jogabilidade é bem simples: ir explorando o cenário, tocando nos objetos e tendo algum tipo de interação com eles, e resolvendo quebra cabeças durante as fases. Outro ponto forte do jogo, é que os quebra cabeças são muito bem criados, tendo de usar a furtividade e observar os padrões dos inimigos na tela antes de tomar certas decisões.

  • Devil’s Attorney – iOS / Android.

 Este é um jogo difícil de classificar, pois mistura um jogo estratégico, com um card game, e diversos de elementos de RPG.
 No jogo você joga com Max, um advogado novato, que precisa fazer sua carreira do zero, e que gosta de pegar os casos mais difíceis, para lançar sua carreira e provar que é o melhor advogado da cidade.
 Além de ter um visual cartoon muito divertido, o jogo possui uma ótima mecânica, excelente trilha sonora, e com certeza possui uma jogabilidade única e que eu nunca havia visto antes.
  O ponto forte deste jogo além da mecânica, é o humor, que está presente no jogo em todos os momentos. (e possui melhor animação de entrada para um jogo que eu já vi).

  • Superbrothers: Sword and Sworcery ep – iOS / Android / PC.

O melhor jogo que eu já joguei em um celular, e que com certeza é um clássico, e nunca vai estar datado.
 Sword and Sworcery é um jogo totalmente em pixel art, e que possui a melhor trilha sonora de jogos para celulares, tanto na qualidade sonora, como no ritmo de cada trilha sonora, somado a tudo isto, uma jogabilidade que mistura o estilo aventura point and click, com um jogo de ação.
 Para quem optar por jogar no celular, existem algumas funções que fazem o jogo mais interativo, como girar a tela em certos momentos, usar a vibração do celular para acompanhar certos momentos musicais etc.
 Eu aconselho a todos que se interessarem neste jogo, á jogarem com fones de ouvido, pois Superbrothers possui um cuidado tão especial na parte sonora, que quem joga não quer perder nenhum detalhe musical.

Xina Gamer – Top 5 jogos de mundo aberto

Xina Gamer – Top 5 jogos de mundo aberto

Sim! Finalmente terminei o modo história de Grand Theft Auto V, e como não faz sentido fazer uma resenha depois que tantas outras já surgiram na internet, e todo mundo já está cansado de ver, resolvi indicar meus 5 jogos favoritos do mesmo estilo.

 Mas antes de tudo, quero comentar brevemente sobre GTA V, agora que terminei e explorei todo o universo de Los Santos.
 História sensacional! Isso resume tudo o que mais me chamou a atenção em GTA V, apesar de ter gráficos melhores que o seu antecessor, uma jogabilidade refinada e muitas atividades para se fazer no jogo, a história de GTA V e a profundidade do enredo dos 3 protagonistas, foi o que mais me marcou neste último lançamento da franquia.

 Espero que todos que ainda não tiveram a oportunidade, joguem o mais rápido possível, pois é uma experiência de jogo incrível, e que desde Red Dead Redemption, eu nunca tive um envolvimento tão grande com um personagem de um jogo, principalmente com o personagem Trevor Philips.

 Bom, mas vamos lá:

5º – Infamous

 Infamous é um jogo que trouxe uma nova categoria á seção de games mundo aberto, pois em títulos passados, tivemos uma grande coletânea de jogos em 3º pessoa ao estilo “Sandbox” como o próprio GTA, e outros jogos com super poderes como em Star Wars Force Unleashed, mas foi em Infamous que as 2 idéias se fundiram, criando um jogo excelente.
 Os pontos fortes de Infamous é em grande parte o uso dos poderes elétricos que o personagem principal, Cole Macgrath, possui, como planar, soltar descargas de energia como se fosse um projétil, deslizar pelos trilhos e cabos dos postes de energia e etc., tudo isso em um ambiente livre, e uma dualidade entre seguir o caminho do herói, ou trilhar o caminho do vilão, que é uma das grandes sacadas de Infamous.

4º – Far Cry 3

 Apesar de se tratar de um jogo em primeira pessoa, Far Cry possui a liberdade de um bom jogo mundo aberto, mas com uma jogabilidade bem melhor em sua parte de tiro, já que em primeira pessoa a agilidade com a arma se torna bem maior.
 O melhor da franquia está em  seu último lançamento, pois tudo que os jogos anteriores tinham de falha ou de bom foram melhorados.
 Com um ótimo enredo e uma liberdade bem ampla no jogo, este é um dos melhores jogos de mundo aberto em primeira pessoa, porque além de ter toda a liberdade na ilha para ir onde você quiser, o jogo possui diversos elementos de RPG, como uma lista de habilidades que o jogador deve escolher ao ir ganhando XP, e o melhoramento de itens, que podem ser criados com objetos específicos encontrados na ilha.

3º – Saints Row 4

 Saints Row 4 é uma ótima alternativa se você quer jogar um jogo mundo aberto, mas sem se preocupar com o roteiro.
 A jogabilidade parece muito com a de GTA, porém o foco do jogo é ser algo totalmente voltado para a ação e a comédia, em um mundo onde se pode fazer tudo o que quiser das formas mais engraçadas possível.
 Apesar do tema descomprometido do jogo, um ponto forte são as partes de ação, que apesar de não serem nada realistas, parecendo algum filme de ação de Jason Statham, conseguem trazer aquele sentimento de ter feito algo épico, para logo em seguida fazer uma dancinha vergonhosa de provocação diante de seu inimigo derrotado.

2º – Sleeping Dogs

 O foco no combate corpo a corpo, que já era inovador na série True Crime, voltou com tudo em Sleeping Dogs.
 Nos filmes de Kung Fu, os combates corpo a corpo sempre foi algo impressionante, com muitos golpes giratórios, uma ritmo rápido e dinâmico, e com muitos golpes finais eletrizantes. Pois bem, tudo isso é o que faz Sleeping Dogs ser o jogo mundo aberto com o sistema de combate mais bem executado de sua categoria.
 Jogar com o personagem Wei Shen, é como estar no controle de atores como Jet Li ou Jackie Chan, ou talvez uma junção dos dois, pois no jogo, as habilidades de combate e os combos são tão cinematográficos, que o combate com armas de fogo não faz falta. A jogabilidade do combate é tão prazerosa e divertida, que mesmo com a opção de usar armas de fogo durante o jogo, se torna muito mais bonito e épico usar suas próprias mãos para resolver qualquer situação.

1º – Red Dead Redemption

 Nunca um jogo retratou o “Velho Oeste” tão bem quanto Red Dead Redemption.
 Tudo no jogo é excelente, o gráfico, a jogabilidade, a caracterização dos personagens e do cenário, e principalmente a história de cada personagem do jogo.
 O universo do jogo é tão bem situado, que é como jogar um filme de faroeste, e a história é tão bem amarrada e os personagens tão bem construídos, que assim como em um bom filme, você começa a se importar com outros personagens além do principal, Jonh Marston, e fica ansioso para saber mais da história de cada personagem.
 Red Dead Redemption é um jogo que preenche tudo que um jogo precisa ter, e a jogabilidade combinada com uma ambientação muito próxima do real, é tão fluída que podem se passar horas jogando sem se perceber.
 Este definitivamente é o meu favorito, e é uma obra prima que deve ser jogada. 

 Bom galera, este é o meu top 5 de jogos mundo aberto que devem ser jogados, que são ótimas alternativas além de GTA V, até semana que vem.
 Não concorda? Esqueci de algum na lista que você acha que deve ser mencionado? Deixe sua sugestão nos comentários.

Quer jogar um desses? Compra aqui no Submarino $$$…
Infamous
Far Cry 3
Saints Row IV
Red Dead Redemption

   
Xina Gamer – Top 5 Batman Games

Xina Gamer – Top 5 Batman Games

Batman…Forever. 

 Batman é uma figura inesquecível não é? E sua figura está enraizada na cultura pop desde a sua criação, na verdade, pode se dizer que Batman se tornou um ícone da Cultura Pop, até arrisco em dizer que Batman se tornou mais que um ícone, se tornou uma marca.

 E essa marca está tão difundida na sociedade de hoje, que pode se notar que o símbolo do Batman é tão mundialmente reconhecido quanto o símbolo do Mc Donald’s, talvez até mais. Se hoje em dia você perguntar para uma criança de 5 anos de idade o nome do pai ou da mãe dela, ela talvez não saiba responder, mas se você mostrar o símbolo do cavaleiro das trevas, a resposta será imediata: Batman.

 O vigilante de Gotham  já foi imortalizado em diversas formas de mídia, como por exemplo: em diversas sagas de HQ’s, recentemente na trilogia de filmes dirigidos por Christopher Nolan, nas clássicas animações dos anos 90, Batman The Animated Series Vol II e mais recentemente na animação adaptada da HQ  The Dark Knight Returns, em jogos de videogames, em camisetas, peças musicais da Broadway e etc, etc.

Com isso em mente, e aproveitando que o novo título da série Arkham, Batman Arkham Origins, está para ser lançado, resolvi revisitar alguns jogos do Batman, e montei uma lista dos meus 5 jogos favoritos.

  • 5 – Batman Forever (Snes/Genesis) 
 O sucesso do filme de 95, e contando com  um elenco arrasador, entre eles, meu ator favorito na época, Jim Carrey, que me fez rir muito no filme de O Máscara e Ace Ventura, se tornou um jogo de videogame, produzido pela Acclaim, que já tinha uma enorme reputação depois de desenvolver jogos como Mortal Kombat 1 e 2.
 Se me lembro bem, foi um dos poucos jogos de aventura com sistema cooperativo que tive o prazer de jogar no Super Nintendo, além de Joe & Mac é claro.
 Isso tudo, junto á novidade da década de 90 que eram os personagens animados em foto realismo, como em Mortal Kombat, fez com que este se tornasse um dos meus favoritos no Snes, além de ter os comandos muito parecidos com Mortal Kombat (ganchos, rasteiras giratórias,voadoras e etc.)

  • 4 – The Adventures of Batman & Robin (Snes/Genesis)

 Baseada na espetacular série animada, Batman Animated Series Vol II, este é um dos clássicos jogos de Super Nintendo, e vai ficar na minha memória para sempre.
 A trilha sonora é fantástica, e segue exatamente a série animada, tanto na história, quanto no design impecável dos personagens, é como estar jogando a própria série animada.
 Ainda hoje, é um dos títulos de Snes mais procurados nos sites de rooms, e com razão, pois poucos jogos na época tinham uma jogabilidade tão boa, e gráficos tão bonitos.

  •   3 – Batman Begins (PS2/XBOX)

 O primeiro filme da trilogia de Nolan, foi um sucesso nos cinemas, e por incrível que pareça, a adaptação para os videogames foi muito além do que eu esperava.
 Foi um dos primeiros jogos do Batman que deu ênfase ao pânico estratégico, usando o sistema de monitoramento cardíaco (que mostrava o quanto os seus inimigos estavam apavorados), e o sistema de stealth takedown (imobilizando os inimigos furtivamente), inovações excelentes, e que mais tarde vieram a ser usadas nos jogos Arkham Asylum e Arkham City.

  • 2 – Batman Arkham City (PS3/X360)

 É claro que nesta lista não poderia faltar a saga nova dos games de Batman.
Arkham City trouxe mais daquilo que fora apresentado em seu antecessor, Arkham Asylum, refinando o inovador sistema de combate, e ampliando o jogo para um sandbox, com um mapa inteiro para se explorar livremente, e vários eventos aleatórios pela cidade.
 Uma das minhas coisas favoritas neste jogo, é o fato de Gotham estar muito bem representada, com vários prédios e catedrais em arquitetura gótica, e diversos prédios de empresas que fazem referência ao universo dos quadrinhos.
 O easter egg que eu mais gostei neste jogo, é o de poder visitar o “beco do crime” no mapa do jogo, onde os pais de Bruce Wayne foram assassinados, e assim como nas HQ’s, pode se ver uma rosa vermelha no exato local do crime, que o Batman sempre deixa em cada aniversário da morte de seus pais.
    

  • 1 – Batman Arkham Asylum (PS3/X360)

 Sim senhoras e senhores! Arkham Asylum é o meu nº 1!
 Apesar de surgirem muitas melhorias em seu sucessor, Batman Arkham City, o primeiro jogo é o meu favorito, pois foi o primeiro jogo a elevar os jogos do Batman a um novo nível.
 Com um sistema de combate muito natural e instintivo, gráficos e atuação de vozes excelentes, um enredo super bem elaborado (apesar do final do jogo ser um tanto clichê), e o cuidado de citar diversas referências do universo dos quadrinhos, este foi o jogo que me fez ver a franquia de games Batman com novos olhos.
 Bom esses são os jogos de Batman que marcaram a minha história de vida gamer que resolvi compartilhar com vocês, espero que tenha agradado, e caso tenha algum jogo que eu não tenha citado, e que seja muito relevante na sua opinião ou que tenha marcado a sua vida, justifique deixe um comentário.
 Até semana que vem jovens prodígios, neste mesmo Batcanal, nesta mesma Batcoluna.  
Batman Arkham Asylum PS3:
Batman Arkham City Xbox 360:
Batman Arkham City PS3:
Xina Gamer – Grand Theft Auto Online

Xina Gamer – Grand Theft Auto Online

Agora que GTA V está jogável, aqui vai meu pequeno review do modo online.

 Bom, desde o seu lançamento, o tão prometido, modo Online de GTA V, deu muitos tropeços, mas finalmente ele está jogável.
 Começando para aqueles que ainda não entraram em seu modo online por receio e segurança, aqui vai uma pequena introdução do meu ponto de vista pessoal a este maravilhoso mundo de caos e “liberdade”.
 Inicialmente, assim como todo jogo online, você deve customizar seu personagem, mas diferente de outros jogos em que a aparência é customizada diretamente no seu personagem, aqui em GTA as mudanças devem ser feitas em seus avós e pais, resultando as características finais em seu personagem (Avó + Avô = Pai + Mãe = Você ).
 E as habilidades do seu personagem (Perícia com armas, habilidade no volante e etc.) são definidos de um modo genial, onde você deve escolher quantas horas por dia o seu personagem gasta no cotidiano fazendo esportes, assistindo tv etc. 
 Depois de criar o seu personagem, um pequeno enredo de introdução é feito, para introduzir e situar o seu personagem na trama do jogo principal e na cidade de Los Santos.
 Após fazer algumas missões que servem como tutorial, e ser apresentado a alguns personagens da história principal, você é obrigado a fazer uma missão com a ajuda de um outro jogador online, que o servidor junta, com base em alguém que esteja no mesmo ponto de progresso que você. O que não é ruim, e acredito que a ideia seja encorajar a socialização com os outros jogadores online, porém após terminar a missão é quando as coisas ficam um pouco mais caóticas.
 Em minha experiência, fui “juntado” com uma outra jogadora, o que foi perfeito, pois a minha atitude “cavalheiresca” se manifestou, por se tratar de uma garota, e isso fez com que a experiência social funcionasse perfeitamente, sempre me preocupando com ela, ajudando a matar os inimigos  etc.
 Tudo estava feliz, até chegarmos a uma parte da cidade onde havia um grupo de jogadores “escrotizadores”, que não queriam saber das atividades extras para se fazer, ou montar grupos com os amigos, enfim, não viviam o “mundinho” de GTA, a intenção era somente sair matando os outros jogadores sem propósito algum.
 Apesar de sabermos que o server de GTA vai marcando os jogadores escrotos como “Bad Sport” (Maus esportistas), e migrando este tipo de jogador para um server onde tenha apenas outros Bad Sporter’s, muitos jogadores que ainda estão no início do jogo e não foram marcados como escrotizadores acabam estragando a experiência de outros que querem seguir de um modo mais pacífico.

 Depois de toda a nossa jornada, a frustração fez com que dissolvêssemos a parceria, e resolvemos então deixar o modo online para mais tarde “e nosso amor foi deixado de lado”, sucumbindo todas as aventuras e experiências que poderíamos ter.

 Enfim, mesmo depois, entrei no modo online para jogar casualmente, mas não foi a mesma coisa, do tipo a comida não tinha mais sabor, as coisas não tinham mais a mesma graça, o mundo se tornou mais cinza e etc., GTA Online se tornou um péssimo filme B Noir por alguns dias.
    
 Tentando reviver o a nostalgia do meu primeiro gameplay, continuei a jogar casualmente, e é perceptível que alguns bugs ainda são encontrados, como carros colidindo com objetos invisíveis, mortes aparentemente sem explicação e etc, mas nada tão grave a ponto de me frustrar com o jogo, na verdade algumas situações foram até engraçadas.
 Ainda assim, explorando todas as atividades do modo online, é certo dizer que GTA online não é um mundo completo, mas todas as atividades disponíveis, entre elas: corridas tanto de moto quanto em carros, missões de assalto em modo cooperativo, modos de combate competitivo entre times e etc., vão fazer com que a sua experiência em GTA Online seja muito parecida com o modo história principal e que com certeza dure um bom tempo.
 Um incentivo a mais para se jogar GTA Online, é a notícia dos prêmios que serão distribuídos para os jogadores que estiverem jogando durante este mês, como foi citado aqui no site, então se você estava esperando um momento melhor para se aventurar no modo online, a hora é agora!  
        
Xina Gamer – Card Hunter finalmente!

Xina Gamer – Card Hunter finalmente!

Card Hunter já está disponível e pode ser jogado através de qualquer navegador.

 O esperado jogo da Blue Manchu Games está disponível, e nós aqui do NDF não poderiamos ficar de fora deste game incrível.
 Introduzindo de forma breve, Card Hunter é um jogo que mistura o clássico RPG de tabuleiro, dados e fichas, assim como em sistemas de RPG D&D (Dungeons And Dragons), com um jogo de cartas como em Magic The Gathering.
 Para quem não se lembra, comentamos anteriormente sobre o jogo, mas ainda estava em fase de produção, mas que agora já está disponível e o necessário para se jogar é um cadastro e um navegador!
 O primeiro passo para se jogar Card Hunter é fazer o cadastro no site do jogo CardHunter.com, o que vai exigir apenas um e-mail pessoal e alguns dados cadastrais. Lembrando que o jogo é totalmente grátis para se jogar, mas que possuem transações específicas que podem ser feitas com dinheiro real.
 Logo depois de logar no jogo, o jogo passa alguns tutoriais de como se jogar, o que é bem fácil, pois a interface do tabuleiro lembra muito o de jogos como Final Fantasy Tactics, com um piso quadriculado, que mede a distância de suas ações.
  A parte da jogabilidade funciona por turnos, e o jogador administra um grupo de personagens, cada um com uma classe. As classes apresentadas no tutorial do jogo são: um mago, um clérigo e um anão. Cada um com uma especialidade e uma função dentro da partida, isto torna o jogo bem estratégico.
 A interface das cartas, que na verdade são as suas ações disponíveis para cada personagem, parecem muito com card games que já vimos antes, como Pokémon, Yu-Gi-Oh e Magic The Gathering, mostrando as cartas que cada personagem possui, e a cada vez que se decide pular o turno, cada personagem seu ganha uma nova mão de cartas.
 As cartas são separadas por personagens, e o deck de cartas depende dos seus equipamentos, então na verdade, cada espada ou escudo que você decide equipar em um dos seus personagens vai vir com um set de cartas novo: um escudo com um set de cartas de defesa, a espada com um set de cartas de ataque e um cetro com um set de cartas de magia. E com equipamentos melhores, melhor será o atributo de ataque ou defesa das cartas.

 Já as cartas de movimento são cartas padrão, e dependem do tipo de personagem, por ecemplo: um humano tem pelo menos uma carta  de movimento por mão e pode andar até 4 blocos, já um anão tem sua carta movimento limitada a 3 blocos e o elfo com sua carta de mocimento que anda até 6 blocos, e as cartas podem ser cumulativas, então se ainda restar uma carta de movimento na mão anterior, uma carta a mais você vai ter na próxima mão.
 As cartas de defesa funcionam de um modo diferente, ao invés de serem ativadas como as cartas de ataque, elas são ativadas somente quando se recebe o ataque, praticamente como se ela realmente estivessem equipadas, e para definir se você recebeu o ataque inimigo ou não, um dado é rolado para testar a sua resistência. Uma forte influência de D&D.

 Por falar em cartas, a influência de Magic: The Gathering pode ser notada pelo visual das cartas, que é praticamente igual, até mesmo com aquela pequena descrição abaixo da ilustração na carta, e a descrição da quantidade de dano no rodapé.

 Depois de passar pelo tutorial, chega a hora de montar sua equipe, inicialmente o jogo oferece até 2 personagens de graça, os demais devem ser comprados. Entre as escolhas, sempre há 3 tipos de raça para cada classe, sendo elas: Humano, Anão e Elfo.

 A decisão aqui vai muito além da estética, já que cada personagem possui um deck natural de movimentação, que varia de raça para raça, como os tipos de armas que cada um pode equipar, isso faz muita diferença em uma partida.

 Existem 2 modos de jogo: o modo campanha, que é jogado sozinho e conta com um mapa no qual o jogador vai abrindo outras quests.

 E o modo Multiplayer, no qual o jogador pode enfrentar outros jogadores online em disputas amistosas, ou até mesmo em uma “Ranked Match”, que é uma partida na qual você enfrenta outro jogador para ir subindo no rank mundial do jogo a cada vitória.

 As armas podem ser compradas, mas também são oferecidas como prêmio em certos baús ao final das quests do modo campanha. Existe também a opção de comprar uma assinatura mensal do jogo, chamada Card Hunter Club, no qual você tem acesso a certos privilégios, como por exemplo: Baús raros com maior frequência ao final das quests.

 A assinatura mensal oferece um certo numero de Fatias de Pizza por mês, que são como uma espécie de moedas premium, com elas você pode comprar uma frequência de baús raros no final das quests, ou até mesmo personagens melhores para o seu grupo.

 Outra vantagem de se ter Fatias de Pizza, é que o modo campanha possui um limitador diário de quests, e as quests só podem ser refeitas gastando uma fatia de pizza ou aguardando até o dia seguinte para que ela se torne disponível. Um sistema já conhecido por aqueles que já experimentaram os jogos do Facebook, e que é usado por jogos que são de graça e querem que os usuários continuem a jogar com frequência.
 Um bom uso para as Fatias de Pizza, é o de customizar os personagens que você possui, apesar de cada jogador fazer o seu próprio time, as roupas de cada personagem é igual para todos os jogadores, mas podem ser compradas roupas alternativas, que custam Fatias de Pizza.

 O visual do jogo, assim como os efeitos sonoros são incríveis, e realmente trazem todo um universo de detalhes ao jogo. Pode se notar o esforço de criar a experiência de um verdadeiro jogo de tabuleiro, como foi mostrado na propagando oficial. O tabuleiro estar em uma mesa com livros e manuais estilo D&D ilustrados ao redor, as peças dos personagens parecerem miniaturas feitas de papel, as moedas premium terem esta sacada de serem fatias de pizza para representar que o jogador precisa comer para poder continuar na mesa jogando, e até mesmo na seleção de roupas alternativas, que mostra as outras roupas alternativas em embalagens de action figures, como se fossem miniaturas novas disponíveis em uma loja.

 Todo este trabalho na parte artística de ambientação no jogo em um belo estilo Cartoon, a mecânica dinâmica e estratégica, e as diversas referências aos clássicos RPG’s de mesa como D&D e card games como Magic The Gathering, fazem com que o jogo seja não só uma diversão, mas uma viagem nostálgica aos bons e velhos tempos nerds de RPG de mesa.

 É com tudo isso que nós aqui do NDF recomendamos para todos, este incrível indie game, que merece ser um sucesso, e inspirar mais desenvolvedoras independentes com boas idéias a lançarem seus jogos, principalmente empresas brasileiras de jogos, que ainda são poucas, mas esperamos ver mais no mercado, com idéias boas e mecânicas simples. Que este seja o incentivo para mais jogos de produtoras brasileiras, e para que possamos ter um mercado próprio na indústria de jogos.

Site Oficial:
CardHunter.com