Xina Gamer – Strider 2014

Xina Gamer – Strider 2014

 

Nas mãos de uma nova produtora, e com uma mistura de vários elementos de outros jogos, Strider está de volta!


 Correr, dar saltos acrobáticos e cortar tudo que estiver em seu caminho. Tudo isto é Strider, na verdade, sempre foi, mas agora, nesta nova versão da Double Helix Games, tudo parece muito mais moderno.

Para quem nunca ouviu falar, Strider é um jogo que se originou em 1989, no arcade, que trazia um jogo de plataforma ágil e com elementos próprios. Depois do sucesso do primeiro jogo, ele ganhou uma sequência para Psone, entitulado “Strider 2”, em 1999, que continuou bem o legado do primeiro jogo, porém, apesar de uma jogabilidade rápida e gráficos melhorados, o jogo era curto demais, e dava a sensação que era somente uma demonstração do que ele poderia ter sido de fato.

 Depois de muito tempo desde a última aparição de Strider, exceto pela presença fiel nos jogos de luta, como em Marvel vs Capcom, em 2014 a série foi trazida de volta, como um remake do primeiro jogo.

 Então, sem mais delongas, vamos lá: 

História

 O enredo do jogo continua o mesmo: você assume o controle de Hiryu, um jovem membro do clã Strider, de agentes/ninjas super treinados, que tenta acabar com um ditador chamado “Grand Master Meio“, que controla a mega metrópole de Kazakh City (que lembra muito uma Rússia Industrial Futurística/Cyberpunk).

 Uma das coisas que fazem você ter uma noção do tamanho do clã Strider, é que no jogo, você encontra diversas roupas diferentes, que pertenciam a outros agentes Strider, mas que morreram na missão de eliminar Meio. O que é um detalhe muito legal, pois até nas últimas partes do jogo você vai encontrar roupas de falecidos membros da Strider, indicando que muitos chegaram perto do objetivo final, mas somente Hiryu (você) é quem vai eliminar Meio de fato. 

Jogabilidade

 Agora sim, vamos falar do ponto alto de Strider: a jogabilidade. Desde o primeiro jogo, a jogabilidade sempre foi algo forte na franquia, com golpes rápidos e uma movimentação fluida.

 Nesta nova versão de Strider, o jogo faz com que o jogador se mova o tempo todo, mesmos em batalhas contra os chefes das fases, algo que exige muito mais golpes em um mesmo ponto do inimigo, o jogo distribui diversos tiros, golpes energéticos e misseis, evitando que você fique parado em um ponto por mais de 2 segundos.

 E é esta sensação de desespero e de urgência, que faz com que você vá se aprimorando no controle de Hiryu, e comece a virar um verdadeiro ninja no manejo do joystick.

 Tudo responde bem, você pula, salta, escala pelas paredes de modo perfeito. Outra adição são os golpes, que agora podem ser dados em qualquer direção, o que lembra muito Super Castlevania IV pro Snes.

 Quanto a variedade de armas, você sempre usa a espada clássica de Hiryu, e que conforme você avança no jogo, ganha novos upgrades, como rebater tiros lasers, dar um dash para baixo com um ataque e etc., que serão úteis para derrotar certos inimigos mais pra frente no jogo, ou até mesmo abrir áreas específicas, que estão bloqueadas.

 E por falar em áreas, o jogo lembra muito o estilo Metroid, no qual a porcentagem do mapa é revelado conforme você vai abrindo novas áreas, e no qual é possível visitar áreas anteriores, em busca de itens escondidos ou upgrades.

 Visual

 Por se tratar de um jogo de plataforma, mas com gráficos em 3d, o jogo perdeu um pouco da velocidade vista em Strider 2, porém, a riqueza de detalhes nas fases é tamanha, que a sensação é de que Hiryu é rápido pra caralh#@$!

Vaaaaaaaaaaaaaiii !!!!

 As partes que realmente mostram do que a nova tecnologia é capaz, são as lutas com os chefes. Que apresentam alguns oponentes gigantes, em batalhas épicas e cheias de explosões. Mesmo sem estar lutando contra um chefe, é possível notar em certas partes do cenário, elementos no background que fazem a cidade de Kazakh City parecer mais viva, com cidadãos correndo assustados, ou simplesmente admirados com a sua presença.

  Apesar de trabalhar em um estilo plataforma, o jogo explora elementos como, andar alternadamente entre camadas, que dá uma sensação de profundidade, e que faz com que o jogo pareça ser um pouco maior. Além disso, as áreas exploradas são divididas em várias partes da mesma cidade, o que define a diferença entre as ambientações, que começa em um ambiente mais externo, e que depois vai se transformando em instalações industriais e em laboratórios mais high-tech

Geral

 Cara, jogo excelente, e que deve ser conferido com certeza! 

 Ação do início ao fim, desafios moderados, que requerem uma habilidade no joystick, mas nada que você se frustre demais a ponto de desistir, inclusive, o jogo consegue te prender de tal forma, que a cada momento que você abre uma nova habilidade, você quer jogar mais para testar estes golpes novos e explorar partes antigas das fases, fazendo com que uma jogada planejada para poucas horas, tenha uma duração de horas e horas, sem você perceber.

Strider Hiryu já usava “calça saruel” muito antes de virar moda.

 Se você não conhece a franquia Strider, esta é a oportunidade perfeita, pois você vai jogar o remake do primeiro game, então basicamente você vai ter o melhor dos dois mundos: a história original com gráficos atuais.

 Strider está disponível para PS3,PS4, Xbox 360, Xbox One e PC. Então, não têm desculpa para deixar jogar.

 Por hoje é só gamers, até semana que vem!

 


 

Share This